Da importância de se abrir para mudanças e novas experiências


Blog / quinta-feira, dezembro 27th, 2018

Vivemos nossa vida rodeada de ações automáticas. Fazemos o que fazemos simplesmente porque nos acostumamos com elas. Quando fui morar sozinha, percebi o tanto de ação e costumes que eu tinha que não eram necessariamente meus, mas que herdei da minha mãe, por exemplo. E nesse momento precisei reavaliar diversos hábitos, e estar aberta a mudá-los se eles servissem melhor para quem eu sou ou gostaria de ser.

Falo sobre isso porque muitas vezes queremos mudar hábitos ou fazer coisas novas, e até nos propomos a mudança. Mas depois do entusiasmo inicial, voltamos aos velhos hábitos. Culpamos nossas falhas em realizar mudanças com frases:

  • Eu nunca vou poder…
  • Eu não sou o tipo de pessoa que…
  • É impossível fazer isso porque….
  • Eu sempre fiz assim

Eu conheço muita gente que se solidariza com a causa vegana, por exemplo. Muita gente que não gosta de saber dos problemas da indústria da carne porque sabe que os detalhes são desconsertantes. Muita gente que não gosta da ideia de animais sofrendo e morrendo, gente que não gosta nem de preparar a carne que come por achar nojento.

Mas essas pessoas continuam comendo carne porque sempre comeram. Ao tentar tirar a carne, muitos passaram por desconforto entre amigos ou em restaurantes que não estão acostumados com esse tipo de pedido. Muitos continuam porque não querem repensar sobre seus hábitos mais sólidos.

Não é a coisa mais fácil do mundo, exige energia e proatividade sim.

A solução para isso? Bom, pela minha experiência, é preciso ter em mente basicamente três coisas:

1. Você tem poder para escolher o tipo de pessoa que deseja ser

A forma como somos criados, o ambiente em que crescemos e estamos, as pessoas que temos contato… todas elas vão de forma ou de outra influenciando as coisas que fazemos e pensamos, a forma como nos vemos e a pessoa que queremos ser.

Quando você percebe isso, nota também que tem poder de escolha. Às vezes se distanciar um pouco de tudo isso ajuda a enxergar as coisas com mais clareza. Passar um final de semana sozinha em alguma outra cidade, ou mesmo fazendo uma atividade que você sempre quis.

Não precisa nem se mudar para outro país que nem eu. Basta ter em mente que você tem mais autonomia do que imagina. Eu sei que parece conversa de autoajuda, mas acredito mesmo nisso.

Pegue um papel e uma caneta e comece a colocar para fora algumas ideias sobre você, o que você deseja, as pessoas que você admira e por que. Comece a refletir mais sobre suas ações.

2. Viver de acordo com seus valores é muito mais satisfatório do que encontrar desculpas

Já ouviu falar de dissonância cognitiva? É quando realizamos uma ginástica mental para validar nossos comportamentos, mesmo quando somos confrontados com novas ideias. Tudo pode ser argumentado com a dissonância cognitiva. Sabe quando os jornais falam umas verdades sobre algum político, e esse político responde com: ‘isso é fake news?’ Pois é… a gente não gosta de ser confrontado com ideias que podem demandar mudança de opinião ou hábitos.

Só que apesar do desconforto inicial, refletir sobre novas perspectivas e tentar entendê-las ao invés de combatê-las é bem mais produtivo. Mantenha sua mente aberta para ser desafiada. E aprenda a reconhecer seus valores fundamentais nesse jogo. Você preza liberdade? Você preza respeito? Você preza compaixão? E o que você está fazendo hoje para viver de acordo com esses valores?

3. Hábitos são mutáveis

O mais importante de tudo é saber que sim, você pode mudar seus hábitos. Demora um tempo para se acostumar com eles, claro, mas nada é permanente. Quando você junta o tipo de pessoa que deseja ser com seus valores, o próximo passo é a mudança.

Você não precisa fazer mudança em todos os aspectos da sua vida logo de cara. Mude uma coisinha pequena. Por exemplo, eu sempre comi pão de manhã. Sempre, sempre. Só que eu percebi que não era a melhor opção para minha saúde. Troquei o pão por aveia. O simples fato de não comprar mais o pão quando vou ao supermercado e trocá-lo por aveia fez com que de manhã ao acordar, eu prepare aveia ao invés de pão. Claro, não tem pão em casa..

Se você quer comer mais frutas e menos doces industrializados, pare de comprar doces e compre frutas. Troque uma coisa pela outra e aprenda a aceitar o desconforto inicial que isso vai te trazer. No início, você vai ter saudade do doce, mas com o tempo você se acostuma e vai notar que criou outro hábito: comer fruta sempre que dá vontade de comer doce.

Às vezes é importante olhar para dentro, ao invés de criar desculpas. Tome um tempo para analisar os motivos pelos quais você está encontrando dificuldade em realizar as mudanças que deseja. E saiba que a vida é feita delas. Estamos o tempo todo aprendendo e crescendo, e isso é incrível.